Curva de Bradley é uma ferramenta que destaca e mostra os quatro estágios do amadurecimento da cultura de segurança organizacional dentro das empresas.

Um dos grandes desafios das organizações empresariais e públicas é reduzir a taxa de acidentes de trabalho ao mínimo, além de manter os ambientes internos e externos seguros ao público em geral.

À primeira vista, esta parece uma missão impossível, mas várias empresas estão mostrando que é possível atingir esse resultado a partir da compreensão do comportamento e mudanças na cultura organizacional. O processo não é fácil e rápido, mas pode ser executado quando os gestores assumem o compromisso.

É importante compreender que a cultura de segurança nas organizações deve ir além de regras estabelecidas em leis, normatização técnica, equipamentos de proteção individual e coletiva, entre outros meios adotados para prevenir os acidentes de trabalho. Para zerar a ocorrência de acidentes, é fundamental eliminar os comportamentos inseguros — o que só é possível quando os integrantes da organização assumem a responsabilidade, independentemente de imposições legais, técnicas e administrativas.

Como saber qual o estágio da cultura de segurança da organização? Em 1995, a DuPont criou um sistema que possibilita que organizações compreendam as fases de desenvolvimento da cultura de segurança. Esse sistema foi denominado curva de Bradley, uma ferramenta muito simples e que mostra os quatro estágios do amadurecimento da cultura de segurança organizacional.

Curva de Bradley: 4 estágios do desenvolvimento da cultura de segurança

Reativo

Nesse estágio, os integrantes da organização não demonstram preocupação com os riscos de acidente. Isso acontece pois eles acreditam que as ocorrências são fatalidades e, por isso, sentem-se incomodados com a obrigação de usar os Equipamentos de Proteção Individual e não se preocupam com as consequências de suas atitudes no dia a dia. Em resumo, existe uma grande resistência às mudanças de comportamento e pensamento.

Dependente

Nessa fase, os membros da organização estão dispostos a seguir as normas de segurança, pois existe um entendimento de que basta seguir as regras para prevenir os acidentes. De fato, o número de acidentes diminui significativamente, mas ainda fica longe da meta, que é de acidentes zero.

Independente

Ao chegar nesse estágio, a organização já avançou mais porque os integrantes assumem a responsabilidade pela própria segurança. Nesta etapa, eles entendem que a mudança de atitude contribui diretamente para prevenção de acidentes. Nesse momento, a taxa de acidentes apresenta maior queda, e os membros da organização estão muito mais comprometidos com a segurança pessoal.

Interdependente

O quarto estágio da curva de Bradley corresponde à maturidade da cultura de segurança. Além de assumir a responsabilidade pela segurança pessoal no ambiente organizacional, as pessoas preocupam-se também com a segurança do grupo. Isso porque todos acreditam que é possível atingir a meta de acidentes zero, desde que todos estejam comprometidos com a qualidade total e com a segurança. O estágio interdependente é o alicerce sólido para construir a cultura de segurança e, com isso, elevar o grau de produtividade e qualidade do trabalho.

A curva de Bradley é uma ferramenta bastante útil para analisar em qual momento a cultura de segurança de uma organização está. Contudo, é importante saber que, mesmo quando a organização chega ao estágio da interdependência, é essencial manter o controle e a supervisão das equipes de trabalho. Outros fatores também comprometem a segurança, tais como: falhas nos processos gerenciais, alterações de procedimentos ou implantação de novas tecnologias.

Também é necessário considerar que o ambiente interno não é estático. Quando acontecem fatos que desestabilizam o clima organizacional, os membros da organização podem mudar o comportamento, colocando em risco o nível de segurança. Diante dessa situação, os líderes da organização precisam estar preparados para enfrentar as adversidades e restabelecer a motivação, a proatividade, a produtividade e o comprometimento dos subordinados com a cultura de segurança.

Fonte: tuiuti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *