A reserva de incêndio precisa ter no mínimo 20% de volume de água de todo o consumo diário do imóvel.

Independentemente do segmento e ramo de atuação, todas as empresas precisam estar devidamente preparadas para qualquer situação adversa e todos os tipos possíveis de acidente. No que diz respeito à prevenção de incêndios, algumas precauções especiais precisam ser tomadas — tanto por parte da empresa como pelo dono do imóvel, o Corpo de Bombeiros e até mesmo o município.

A norma regulamentadora de número 23 (NR 23) é responsável por definir os procedimentos que devem ser adotados pelas empresas para o combate a incêndios, determinando a obrigatoriedade de ações como instalação de saídas de emergência, aquisição de equipamentos para combate ao fogo e realização de treinamentos de prevenção e combate a incêndios.

Além das medidas preventivas, existem alguns recursos considerados essenciais para o combate ao fogo que são utilizados no momento imediato do incêndio até o momento em que ele é eliminado. Uma dessas técnicas é a reserva de incêndio, determinada pela NBR 13714 e responsável por definir que todo município precisa ter uma reserva de incêndio para apoiar o momento de apagar as chamas.

O que é uma reserva de incêndio?

A reserva técnica de incêndio (RTI) é um preparo que ocorre antes da chegada do Corpo de Bombeiros. Trata-se da primeira ação a ser realizada para controlar o fogo até que o Corpo de Bombeiros chegue e tome as medidas cabíveis, utilizando um hidrante de recalque ou hidrante de passeio que bombeará a água para então disseminá-la contra o fogo.

Essa reserva precisa ter, pelo menos, 20% de volume de água de todo o consumo diário do imóvel. Entretanto, isso é apenas uma recomendação. O que especialistas preferem é que seja realizado o correto cálculo da reserva de incêndio, de acordo com o que a NBR 13714 solicita:

Cálculo para reserva de incêndio

De acordo com a norma, toda reserva de incêndio requer um cálculo para determinar a quantidade de volume de água para conter as chamas de um incêndio. A fórmula V = Q x T é a equação utilizada para saber a aplicação da água contra o incêndio. A fórmula segue esse padrão:

  • V é o volume necessário de água;
  • Q é a vazão de dois litros de água em jatos por minuto vindo do hidrante;
  • T é o tempo de 60 minutos para que os dois sistemas, 1 e 2, despejem a água. Se o sistema for 3, o tempo é reduzido para 30 minutos.

Adequações do cálculo de reserva de incêndio

De acordo com a NBR 13714, o cálculo para reserva de incêndio precisa se adequar ao tipo de imóvel que está em chamas. Algumas classificações são descritas na norma que especificam o tipo de sistema a ser usado, o porte do imóvel e exemplos de locais no qual o cálculo é viável.

Dos tipos principais, existem quatro grupos:

  • Grupo A: Tipo residencial (edifícios de apartamentos residenciais);
  • Grupo B: Serviços de Hospedagem (Hotéis residenciais ou assemelhados, albergues, pousadas e casas de cômodos);
  • Grupo C: Comercial Varejista (Lojas, armarinhos, galerias, lojas de departamentos, shoppings, mercados e outros centros comerciais de pequeno, médio e grande porte);
  • Grupo D: Serviços profissionais, pessoais e técnicos (Escritórios, consultórios, bancos, lavanderias, órgãos públicos, mecânicas, laboratório de análises clínicas);

Há ainda o grupo E, que abrange instituições educacionais como escolas em geral, centros universitários, escolas preparatórias e outros tipos de estabelecimentos de ensino.

Fonte: tuiuti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *