O controle de danos dentro das empresas é fundamental para garantir e preservar a saúde e segurança de todos os trabalhadores dentro do ambiente de trabalho.

Quando o assunto é a segurança do trabalho, o mais comum é que venham à mente imagens de locais insalubres para trabalhar ou atividades que representam algum tipo de perigo ao profissional. Porém, não são apenas as fábricas, lixões e ambientes deste tipo que precisam contar com políticas severas de controle de danos segurança do trabalho.

A verdade é que todas as empresas e atividades profissionais possuem algum tipo de risco, seja em maior ou menor grau, e é importante adotar medidas para controlar os possíveis danos que podem resultar dessas situações, seja para a empresa ou para o colaborador. Nesse sentido, o controle de danos se destaca como um aspecto essencial da segurança do trabalho.

Fatores significativos nos acidentes do trabalho

Condição potencial de perda

Esta é uma condição percebida no ambiente de trabalho e que pode ou não resultar em algum acidente. Um fio desencapado localizado em um local de fácil acesso, por exemplo, é facilmente identificável como uma condição potencial de perda.

Perda potencial

É caracterizado quando o acidente não chega a ocorrer de fato, mas há uma situação que se aproxima a ele. Trata-se do susto, que muitas vezes serve como um último aviso.

Perda real

É aqui que o acidente acontece verdadeiramente, com todas as suas consequências. Este tipo de perda pode ser apenas material, danos financeiros à organização, ou física e psicológica — resultando em prejuízo ao colaborador.

Tipos de causas de acidentes de trabalho

Causas imediatas

Essas são as causas de acidentes que quebram regras e normas de segurança: são as causas diretas, ou seja, são situações ativadas automaticamente por algum gatilho. Imagine, por exemplo, que um armário de materiais está excedendo sua capacidade máxima. Ao abri-lo, um funcionário é atingido pelos materiais, sofrendo um acidente de causa imediata.

Causas básicas

As causas básicas são as indiretas, que geralmente ocorrem por falta de controle e de prevenção. São, de certa forma, a raiz do problema — para quase todas as causas imediatas, existem causas básicas. Usando o mesmo exemplo acima, o acidente com o armário teria tido maiores chances de ser evitado se houvesse um aviso sobre a capacidade máxima suportada ou um treinamento de segurança com a equipe de trabalho.

Falta de controle

Se a administração da empresa não está empregando medidas efetivas de controle de danos, há uma evidente falta de controle. As falhas que resultam nessa situação podem ter relação com a falta de padrões de qualidade, falta de organização ou até mesmo com problemas de planejamento.

Dica importante: a capacitação dos funcionários é uma das melhores medidas de prevenção de acidentes de trabalho, bem como a utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) em situações que ofereçam um risco real e que pode ser evitado por esses dispositivos.

Fonte: epi-tuiuti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *